Roteiro pelas antigas cidades da China

BY: Andrea Romani Zerbini
03/07/2018
COMENTÁRIOS: 0

As opções são inúmeras, e cada uma tem seu potencial, sua beleza especial, sua característica marcante. O leque de opções é tão grande que fica impossível traçar um único roteiro e dizer ‘é isso!’ Mas claro que, se temos 10 dias de viagem, existem aqueles pontos imperdíveis. Da mesma forma que não dá para ir a Roma sem visitar o Vaticano, não dá para vir à China e não visitar as Muralhas… (quer dizer, que dá, isso dá… mas não vamos falar de exceções, certo?).

Então se você está pensando em vir à China para conhecer o país, perceber sua cultura, vou deixar o que é imperdível, na minha opinião. Agora, só para ter uma ideia, para visitar a China ‘basicamente’ são necessários 15 dias dentro das fronteiras, no mínimo. A melhor época do ano é entre os meses de abril e maio, e de setembro e outubro. Quem não se incomoda com um frio suportável pode arriscar março e novembro também. O restante do ano são os extremos do calor e do frio.

Um VISA de turista, geralmente é de 30 dias, contados à partir da entrada na imigração. Pode ser de uma, duas ou múltiplas entradas. Você deve planejar o VISA de acordo com seu roteiro. Se pretende visitar Hong Kong, Macau e Taiwan, necessita do VISA de múltiplas entradas, pois são consideradas viagens internacionais, com direito a passagem pela alfândega, carimbo no passaporte etc. A outra opção é fazer esses países antes de entrar na ‘Mailand China’ ou quando sair de vez.

 

BEIJING (ou Pequim)

Claro, essa cidade é a capital da China, onde estão os principais monumentos e pontos turísticos conhecidos pelo ocidente. O trânsito é um caos (de verdade) e a poluição é uma das mais altas taxas do mundo. O metrô é uma boa opção de transporte. Aqui recomendo quatro dias e visitar os pontos estratégicos: Great wall (Muralha da China) – a única que realmente precisa contratar um guia ou, ao menos, entrar numa excursão (geralmente os hotéis oferecem). Fica a 70 km da cidade. E esse passeio exige um dia. Forbiden City (Cidade Proibida)Temple of Heaven (Templo do Céu)Summer Palace (Palácio de Verão)Pedestrian Street (rua de pedestres) – aqui é onde se encontram as famosas barraquinhas com os bichinhos esquisitos para saborear (escorpião, baratas, besouros, cavalo marinho). Mas vale ressaltar que isso é atração turística! Os chineses não comem mais esse tipo de comida. Nessa rua, você também pode encontrar o restaurante mais famoso que serve o ‘Pato de Pequim’, para quem gosta (eu recomendo!). E para finalizar a Olimpic Villa (Vila Olímpica) – nunca fui nesse local, mas sei que hoje em dia faz parte dos roteiros turísticos em Beijing.

 

SHANGHAI (ou Xangai)

Essa cidade é o centro nervoso da China. Uma cidade moderna, globalizada, cheia de constrastes entre a China tradicional e a nova China aberta ao mundo. Shanghai é uma cidade dividida por um rio, o Huan Pu. De um lado está o que há de mais moderno: Pudong, e do outro, a glamourosa Shanghai dos anos de 1920 ainda sobrevive: Puxi. Também aqui, quatro dias são o mínimo. E aconselho que seja no meio da viagem, pois é possível comer comida ocidental de ótima qualidade (rs) e assim dar uma trégua às aventuras gastronômicas chinesas.

Em Pudong, o ponto alto é a Pearl Tower e os outros 3 edifícios que caracterizam essa área, chamados de 3 irmãos: Jin Mao Tower, SFC – Shanghai Financial Center e o Shanghai Tower (que será inaugurado no final de 2014). Se quiser subir num deles para avistar a grandiosidade da cidade, recomento o SFC, por ser mais alto e moderno. Mas só vá se o céu estiver limpo, senão não verá quase nada. Outra dica, é ir no final da tarde, assim poderá contemplar a cidade durante o dia e a noite com todas as suas luzes. Lindo demais!

Também se pode fazer um passeio de barco pelo rio e ver os dois lados do rio e suas características marcantes do antigo e do novo, de uma forma bem clara.

Existem vários parques nessa área da cidade, como o Century Park e o Science and Technology Museum, além do EXPO Site, que foi o local construído para abrigar a EXPO 2010, e agora está sendo utilizado para abrigar museus e exposições, além de grandes espetáculos. Mas é bom ressaltar que essa parte da cidade é toda super hightech. Tudo que existe foi construído há 30 anos no máximo.

Já Puxi, é onde se tem atrações mais tradicionais e charmosas. Para mim é a melhor parte de Shanghai, parece que tudo ‘pulsa’ mais… É mais intenso, mais vivo. Em Puxi podemos ver os constrastes de modo mais simples, pois estão ali, lado a lado.

Tanto que as opções de locais para se visitar aqui são imensas, mas para ficar no básico, podemos resumir em: People Square, Bund, Museu de Shanghai, Yu Garden, French Concession, Jin’an Temple, Nanjing Road (paraíso das griffes). Claro que no meio disso existem locais inusitados em que se deve dar uma atenção especial.

 

Hangzhou e Suzhou

São duas cidades próximas a Shanghai e se estando aqui vale muito à pena conhecer. Elas fazem parte da chamada ‘Veneza Oriental’, pois são cortadas por rios e canais (que facilitaram a rota da seda), com direito a gôndolas e tudo mais. Para chegar, a melhor opção é o trem bala. De Shanghai para cada uma dessas cidades, a viagem é de aproximadamente 1 hora e 15 minutos. Dá para ir e voltar no mesmo dia.

Hangzhou tem como principal atração o West Lake – Lago Oeste – Xi Hu. Além de templos e plantações de Chá. O museu do chá e a cerimônia tradicional do chá, são atrações curiosas para se fazer.

Suzhou se destaca pelas fazendas de pérolas, museu da seda e o Humble Administrator’s Garden – Jardim do Administrador Humilde – Zhuōzhèng Yuán. Suzhou hoje também é conhecida como a cidade das noivas, pois possui um shopping de 72mil m² só de vestidos e acessórios, além de várias lojas de rua!

 

Xi’an

Essa é a cidade onde estão os Guerreiros de Terracota, ou Terracota Warriors. Algumas coisas ficam difícil de explicar. É necessário ver. E esse é um dos casos. Por mais palavras que eu possa colocar aqui, visualizar aqueles milhões de soldados enterrados por um imperador que queria garantir sua boa vida quando morresse é indescritível. Uma viagem de três dias é suficiente. Saindo de Shanghai são 2:30 horas de vôo. A cidade é bem estruturada com metrô, hotéis internacionais e várias facilidades. Da mesma forma que em Beijing, para visitar os Guerreiros de Terracota, precisa de um ‘tour’. Fica quase 2 horas da cidade.

Os locais para visitar sãoTerracota Warriors Site, Bell and Drum Tower (Torres do Sino e do Tambor) e o Muslin Site (Bairro Mulçumano) e as Muralhas de Xi’an(que merecem um passeio de bicicleta pelos seus 14 quilômetros de extenção).

Bom, como disse no início, isso é o roteiro básico do básico para se conhecer a China. Aqui tem atrações para um ano de viagem.

 

Gostou da matéria? Acompanhe nosso Facebook e veja muito mais!

Fonte

65
Categoria: Destinos

Andrea Romani Zerbini

Há mais de 16 anos no mercado de turismo, essa é minha paixão desde os meus 19 anos. Sou Turismóloga: já trabalhei em companhia aérea, agências de viagem particulares e especializadas em atendimento corporativo. Aos 24 venci a insegurança e montei meu próprio negócio. O que mais me cativa é o relacionamento com diferentes públicos todos os dias: fazer parte do planejamento e assessoramento de suas viagens é o que me realiza.

Comentários

Comentar Publicação

Andrea Romani Zerbini

Há mais de 16 anos no mercado de turismo, essa é minha paixão desde os meus 19 anos. Sou Turismóloga: já trabalhei em companhia aérea, agências de viagem particulares e especializadas em atendimento corporativo. Aos 24 venci a insegurança e montei meu próprio negócio. O que mais me cativa é o relacionamento com diferentes públicos todos os dias: fazer parte do planejamento e assessoramento de suas viagens é o que me realiza.

Instagram

Mais Visitados

Área Restrita

Portofino Turismo © 2018 - Todos os direitos reservados | MaPa.


Razão Social: H.R. Turismo e Passagens Ltda.     CNPJ: 06.256.161/0001-27